8.1.10

Alagoas é o primeiro Estado brasileiro a implantar o Projeto Quebra Tabu nas escolas

ORIENTAÇÃO SEXUAL

Ricardo Moresi

A educação de Alagoas ganhou, recentemente, um forte aliado na tarefa de orientação sexual dos jovens que estudam no Ensino Fundamental e estão matriculados do 6º ao 9º ano. Trata-se do Projeto Quebra Tabu que representa um currículo mínimo e pretende oferecer três oficinas de educação sexual como parte do conteúdo curricular da disciplina de Ciências, em cada ano letivo deste segmento educacional.

O projeto será desenvolvido pelo Instituto Kaplan e conta com apoio financeiro da Johnson & Johnson. Em contrapartida, cabe ao Estado fornecer alimentação, transporte, hospedagem para os participantes do projeto.

De acordo com a sexóloga, enfermeira sanitarista e representante do Instituto Kaplan, Maria Helena Vilela, o Estado de Alagoas é o primeiro do Brasil a implantar este projeto. “Aqui, estamos implantando-o em 30 escolas. Duas em cada Coordenadoria de Ensino (CE). Desta forma, teremos uma pequena mostra das atividades que serão desenvolvidas pelo projeto no Estado inteiro”, esclarece.

O estado de São Paulo, segundo a receber esta iniciativa, só começará a trabalhar com este projeto em fevereiro de 2010. Esta ação servirá como ferramenta para que o professor de Ciências possa falar com mais facilidade sobre sexualidade com os educandos acima dos 10 anos de idade.

Esta iniciativa pretende contribuir com os jovens para que eles possam desenvolver o pensamento crítico sobre suas responsabilidades sexuais, tomar consciência do próprio comportamento e, também, do outro; e cooperar para a tomada de decisões assertivas sobre gravidez na adolescência.

Maria Helena destaca, ainda, que cerca de 40 pessoas, entre coordenadores pedagógicos, professores de Ciências e elos de orientação sexual das CEs participaram de um treinamento no último mês de outubro que teve carga horária de 24h. “Esta capacitação foi dividida em três dias. Os participantes irão disseminar os conhecimentos apreendidos com os professores de Ciências e, depois, estes irão socializá-los com os alunos”, garante.

A sexóloga adianta que cada escola receberá os materiais lúdicos educativos intitulados Jogo de corpo e Valores em Jogo para a realização das oficinas. “A implantação do Projeto Quebra Tabu é fruto da demanda apresentada pelas escolas do Estado. Anteriormente, ao trabalharmos o Projeto Vale Sonhar, constatamos que houve a participação de 98% das 196 escolas que o aderiram. 70% delas multiplicaram os conhecimentos. E em aproximadamente 60% desse universo as informações chegaram até os alunos. O resultado foi muito gratificante”, confessa.



Share this