Justiça holandesa aumenta pena de dupla que passava aids intencionalmente

Bruxelas, 22 jan (EFE).- A corte de apelação de Leeuwarden, na Holanda, condenou hoje, a 12 anos de prisão, dois homens acusados de transmitir intencionalmente o vírus da aids (HIV) a quatro pessoas que participavam de orgias homossexuais em sua casa.
De acordo com os autos do processo, a dupla injetou sangue contaminado em suas vítimas depois de dar substâncias entorpecentes a elas.

Em 2008, os réus Peter Mulder e Hans Jurgens foram condenados em primeira instância a nove e cinco anos de prisão, respectivamente.

Nesta sexta-feira, porém, a corte de apelação decidiu elevar a pena de ambos para 12 anos, com o argumento de que a dupla teve "intenção de causar graves lesões", segundo a imprensa local.

Além de terem transmitido o vírus HIV a outros quatro homens "com dolo e premeditação", Mulder e Jurgens tentaram fazer o mesmo com uma quinta pessoa, destaca a sentença.

Ambos são responsáveis pelo fato de quatro homens relativamente jovens "viverem sabendo que sofrem de uma doença crônica para a qual existe tratamento, mas da qual também podem morrer", acrescenta a conclusão dos juízes.

Para a corte de apelação, as vítimas foram violentadas por Mulder e Jurgens, e drogadas antes de serem contaminadas com uma injeção de sangue infectado.

As orgias aconteceram em junho de 2006, mas as detenções só aconteceram em abril de 2008. EFE lmi/sc
Tecnologia do Blogger.