Header Ads

Orgias movimentam milhões de reais na Paraíba

Do Portal Correio
25 de Julho de 2010

Prazer, aventura, dinheiro, sexo sem limite e drogas. Esses são alguns dos ingredientes que fazem parte do cardápio de orgias, festas secretas regadas a muita bebida e sexo liberado que movimentam milhões de reais e servem não apenas atletas e jogadores de futebol.

Na Paraíba e em Estados do Nordeste como Pernambuco, Rio Grande do Norte, Ceará e Bahia, empresários, políticos e assessores, advogados, médicos, promotores, juízes, cantores, atores e outras celebridades e autoridades fazem parte de uma seleta lista de “convidados”, que pagam caro por momentos de prazer, “serviços sexuais” e luxo.

No entanto, nesses encontros secretos, há situações que fogem do controle: há drogas pesadas, como ecstasy, cocaína e LSD, sexo sem proteção, adolescentes aliciadas e exploradas sexualmente e até agressões físicas. Além disso, clientes ricaços pagam até R$ 12 mil por meninas virgens.

“Tem um empresário aqui de João Pessoa que me ofereceu R$ 12 mil para eu arranjar pra ele uma garota virgem. É um fetiche dele. Não arranjei, mas sei que meninas menores de 18 anos também participam de orgias”, revelou Pierre do Valle, que agencia mulheres.

O Jornal Correio investigou o mundo das orgias, entrevistou meninas e garotos de programa de luxo, agenciadores de prostitutas e “convidados” que já participaram dessas festas para descobrir o que se esconde por trás desse misterioso universo, que é protegido por uma “rede de silêncio”.

Farras sexuais aumentam em ano eleitoral

Um agenciador, que seleciona garotas de programa de luxo para orgias, em vários Estados do Nordeste, disse que, por mês, organiza de 10 a 12 festas desse tipo somente em João Pessoa. “Mas em ano eleitoral, aumenta 70% o número de farras sexuais e tem também a participação de adolescentes”, revelou o agenciador, que se identificou como Pierre do Valle.

Ele conta que empresários e políticos de vários Estados da Região estão na lista dos principais clientes dessas festas secretas. Segundo o agenciador e garotas de programa, orgias de políticos e empresários chegam a durar até três dias, em granjas, fazendas e casas luxuosas de veraneio. O cachê das prostitutas de luxo varia de R$ 200 a R$ 3 mil.

“Os clientes ligam e pedem geralmente de quatro a 10 meninas para orgias aqui em João Pessoa, em Recife (PE), Natal (RN), Fortaleza (CE), Salvador (BA) ou outras cidades. Selecionamos as mais bonitas e mandamos. As loiras são as preferidas. Tudo é muito bem articulado e profissional para garantir o sigilo dos clientes”, afirmou Pierre do Valle, que teve o verdadeiro nome preservado.

Os contatos telefônicos são feitos por assessores ou pelos próprios políticos e empresários. “Tem de tudo, vereadores, prefeitos, deputados, senadores...”, afirmou Pierre. As farras são regadas a bebidas caras e drogas pesadas.

Dinheiro público para pagar orgias

Em ano eleitoral, é grande o “derrame” de dinheiro. Muitas vezes, recursos públicos. “Os políticos dizem que dinheiro não é problema e que querem mesmo ‘queimar’ dinheiro. Então, a gente queima”, afirma a garota de programa Pâmella Torlony, 19 anos, que mora em João Pessoa e é estudante.

Ela disse que, durante as farras sexuais, clientes chegam a oferecer até o triplo do cachê para transar sem preservativo, principalmente depois de usarem drogas. Políticos também fazem farras em suítes de hotéis de luxo.

“Eles oferecem valores altos pra fazer sexo sem camisinha. Uma vez, um político abriu uma pasta cheia de dinheiro e ofereceu para mim e minha colega. Ele queria que a gente fizesse tudo sem camisinha. Eram uns R$ 10 mil. Mas a gente estranhou a oferta e não aceitou. Ele deveria ter uma doença muito grave pra oferecer tanto dinheiro assim para duas prostitutas”, comentou Pâmella, que mora em João Pessoa.

Seis horas de sexo e drogas

Marcelo Almeida, 45 anos, conta que foi convidado por um amigo, assessor de um político, para participar de uma festa íntima. A festa era para comemorar a despedida de solteiro do amigo e aconteceu numa suíte de luxo de um motel de João Pessoa, com capacidade para 10 ou mais pessoas. Começou num sábado à tarde e entrou pela noite. Segundo ele, foram aproximadamente seis horas de farra, regada a sexo sem limite e sem proteção, bebidas, energético, estimulante sexual e droga.

Na festa, conta Marcelo, havia cinco garotas de programa, de 20 a 25 anos, e cinco homens, com idades entre 30 e 45 anos. “Era pra todo mundo se divertir à vontade. Quando eu e meu amigo chegamos ao motel, os demais convidados ainda não haviam chegado, mas a suíte já estava toda preparada, com a churrasqueira pronta, muita cerveja, uísque, vodka e muito redbull”, afirmou. “Rolou de tudo...Fiz sexo com três das cinco garotas. Duas delas aceitaram tudo. Houve até sexo sem camisinha”, revelou.

Cliente não quer usar preservativo

A prática do sexo anal durante uma orgia é a preferência de praticamente 100% dos homens, como revelam as garotas de programa. O problema, segundo elas, é que muitos querem fazer o ato sem o uso de preservativo, acreditando que não correm riscos de contrair Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs).

No entanto, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) alerta que existem estudos que apontam que o sexo anal oferece ainda mais chances de infecção que o vaginal.

“Eles só querem por trás. E essa é umas das coisas que eu não faço e aviso logo no primeiro contato por telefone. Aí ficam insistindo, a proposta vai aumentando e dependendo eu acabo aceitando. Tem casos que eles dobram o preço inicial. Sendo que, quando chega na hora, nem sempre querem usar camisinha”, contou Thaysa Toledo.

Encontros pela internet

Utilizando o anonimato das salas de bate-papo, internautas dão o primeiro passo para experiências sexuais reais. “Protegidos” por nomes, idade e descrições muitas vezes falsas, adolescentes, mulheres e homens, inclusive casados, revelam suas verdadeiras fantasias e partem para encontros e aventuras envolvendo mais de duas ou três pessoas.

Se passando por um estudante de João Pessoa, chamado Paulo, de 22 anos, que namora uma jovem de 20, a reportagem obteve depoimentos de pessoas que buscavam encontros secretos com casais e até mesmo combinando orgias com pessoas de vários bairros, que vão se ver pela primeira vez minutos antes de transar.
Tecnologia do Blogger.