Participação do Brasil nos Jogos Paraolímpicos de 2016 exigirá recursos anuais de R$ 70 milhõe - Dartanhã

Breaking News

test banner

Breaking

Home Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Responsive Ads Here

17.7.10

Participação do Brasil nos Jogos Paraolímpicos de 2016 exigirá recursos anuais de R$ 70 milhõe

da Agência Brasil

Rio de Janeiro - A participação do Brasil nos Jogos Paraolímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, exigirão recursos médios anuais de R$ 70 milhões, disse à Agência Brasil o presidente do Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB), Andrew Parsons.

Em 2010, o orçamento do CPB é de R$ 30 milhões. Ele inclui verbas de patrocínios e recursos da Lei Agnelo/Piva, que estabelece que 2% da arrecadação bruta de todas as loterias federais sejam repassados ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e ao Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB), sendo que 85% do total de recursos repassados são destinados ao COB e 15% ao CPB.

O CPB está atuando em parceria com o Ministério do Esporte para viabilizar esses recursos, que poderão vir do governo federal e da iniciativa privada.

Parsons afirmou que as obras para os Jogos Paraolímpicos são diferentes das da Copa do Mundo de 2014 e estão dentro do cronograma. Os grandes equipamentos estão prontos, construídos para os Jogos Panamericanos e Parapan de 2007, como o Estádio João Havelange e o Parque Aquático Maria Lenk.

Em recente seminário promovido no Rio, com a participação de autoridades dos três níveis de governo e de representante do Comitê Paraolímpico Internacional, foi montado o arcabouço dos Jogos de 2016. Parsons informou que o trabalhado está em estágio inicial de organização do próprio comitê. “Uma gerência dos Jogos Paraolímpicos é responsável por trabalhar essa visão transcendental em todas as áreas do comitê organizador, para que haja foco nos dois eventos”.

O CPB está preocupado também em ter uma delegação brasileira forte para participar dos Jogos. “Receber os Jogos em casa é uma grande oportunidade para que a gente possa avançar também no quadro de medalhas”, disse. Desde o ano passado, foi iniciado um trabalho de planejamento estratégico em parceria com as confederações responsáveis pelas 20 modalidades que disputarão as Paraolimpíadas. A meta técnica é pular do nono lugar, conquistado nas últimas Paraolímpíadas, em Pequim, em 2008, para a sétima posição em Londres, em 2012, e para a quinta classificação no Rio, em 2016.

A meta é participar, em 2016, com uma delegação de 200 atletas, contra 188 em Pequim (China), 98 em Atenas (Grécia) e 63 em Sidney (Austrália). A delegação brasileira paraolímpica foi a quarta maior nos Jogos de Pequim, depois da China, da Grã-Bretanha e dos Estados Unidos. “O próximo passo não é um ganho quantitativo na delegação. A gente tem a meta de estar presente nas 20 modalidades do programa. Em 2008, nós estivemos presentes em 17 [modalidades]”, disse Parsons.

O que o CPB pretende trabalhar para melhorar o desempenho qualitativo da delegação brasileira nos Jogos de 2016 para superar . “Que a gente consiga uma campanha melhor que a de Pequim, ainda que qualifiquemos menos atletas”, afirmou. A ideia é que a delegação seja mais bem preparada que a de Pequim. Segundo ele, para chegar em sétimo lugar na competição, o Brasil terá de superar dois fortes adversários, que são a Rússia e o Canadá.

Parsons informou, ainda, que as três potências paraolímpicas que atualmente estão atrás do Brasil são a Espanha, a Alemanha e a França. “A gente costuma dizer que a simples manutenção do nono lugar será um grande resultado. Mas, a gente tem como meta avançar pelos menos mais duas posições no quadro de medalhas”.

Post Bottom Ad

Responsive Ads Here

Páginas