Header Ads

Casal preso por tráfico depessoas em Manaus

 POLÍCIA FEDERAL MANTÉM INVESTIGAÇÕES E PREVÊ NOVAS PRISÕES

Álisson Castro
Da Redação do D24am
31/08/2010
Manaus, Amazonas

Um casal foi preso em flagrante pela Polícia Federal (PF), na última quinta-feira (26), suspeito de tráfico internacional de pessoas. Eles levavam duas mulheres, uma amazonense e uma paraense residente em Manaus, para trabalhar como prostitutas na Guiana. A entrada no país caribenho seria via Estado de Roraima. As investigações estão em curso e mais prisões ainda podem ocorrer.

As informações são do delegado da polícia federal, Roberto Câmara. O nome do casal preso e das mulheres que seguiriam para Guiana não foram revelados pela PF.

Segundo o delegado, a mulher responsável por aliciar as vítimas foi detida na Rodoviária Municipal de Manaus, após embarcar as duas mulheres em um ônibus com destino a Boa Vista (RR). O homem, que acompanha as vítimas durante a viagem, foi preso em uma barreira da Polícia Rodoviária Federal (PRF) no quilômetro 43 da BR-174, onde o veículo foi abordado pelos policiais federais, com apoio da PRF.

De acordo com Roberto Câmara, as mulheres sabiam que serviços iriam fazer na Guiana. “Normalmente, estas vítimas são iludidas com condições de trabalho que não vão se concretizar”, disse o delegado.
Na maioria dos casos, as mulheres chegam ao destino devendo os gastos da viagem paga pelos aliciadores.
O delegado informou que só uma das mulheres aliciadas tinha passaporte. A polícia suspeita que a outra mulher entraria clandestinamente na Guiana. As investigações ainda não revelaram se o casal
preso faz parte de uma rota de tráfico internacional de mulheres.

A PF do Amazonas investiga, atualmente, dez outros casos de tráfico internacional de pessoas. De acordo com o delegado trata-se de um crime
difícil de ser investigado, pois as mulheres aliciadas não costumam colaborar sob orientação dos aliciadores.

“Dificilmente as mulheres se vêem como vítimas de um crime. Para elas, é apenas uma oportunidade de trabalho”, afirmou Roberto Câmara.
Tecnologia do Blogger.