‘Consórcios se omitem’, diz sociólogo - Dartanhã

Breaking News

test banner

Breaking

Home Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Responsive Ads Here

30.8.10

‘Consórcios se omitem’, diz sociólogo

Pesquisador da Universidade Federal de Rondônia diz que as construtoras de Jirau não combatem a prostituição na região

Porto Velho (RO), 23 de Fevereiro de 2010
Leandro Prazeres

Depois de mentir durante anos para sua filha, Zenaide, 34, revelou à menina sua verdadeira profissão: garota de programa (Foto: Antônio Lima)

“Os consórcios que constroem as usinas se omitem. Todos sabem que as obras iriam aumentar a prostituição em Jaci Paraná, mas ninguém fez nada para prevenir isso”. A afirmação cáustica é do sociólogo Luiz Fernando Novoa, professor e pesquisador da Universidade Federal de Rondônia. Ele é uma das vozes mais atuantes da comunidade acadêmica quando o assunto são as polêmicas usinas de Santo Antônio e Jirau.

“Os estudos feitos pelas usinas subestimaram os impactos sociais que Jaci Paraná iria sofrer. Hoje, a situação está fora de controle e os consórcios se limitam a fazer ações pontuais de mitigação. Não é suficiente”, destaca Novoa.

A suposta “cumplicidade” das empreiteiras com a prostituição, investigada pelo delegado da Polícia Civil de Rondônia, Sandro Alves, também é apontada pelo sociólogo. “A gente sabe de casas em que os operários pagam os programas com cartões dados pela própria empreiteira”, disse.

E a proximidade entre os prostíbulos e o canteiro de obras da empreiteira Camargo Corrêa, a maior a atuar na construção da usina de Jirau, é impressionante. Da portaria do alojamento até os primeiros prostíbulos, a distância não chega a 1,2 mil metros. Um deles ganhou o apelido de “Usina do Amor”.

Fonte: A Crítica / Manaus

Post Bottom Ad

Responsive Ads Here

Páginas