Header Ads

Maioria dos fumantes com diagnóstico de câncer não consegue largar o cigarro

Elaine Patricia Cruz

Repórter da Agência Brasil

29/08/2010

São Paulo - Um levantamento feito pelo Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), ligado à Secretaria de Estado da Saúde e à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), apontou que 60% dos fumantes com diagnóstico de câncer não conseguem largar o vício em cigarro. Segundo Frederico Fernandes, médico pneumologista do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), um dos motivos para isso seria a alta dependência do cigarro.

“O diagnóstico de câncer é uma grande motivação para as pessoas pararem de fumar. A maioria dos pacientes que recebem esse diagnóstico tem um estímulo muito forte para cessar o tabagismo. No entanto, não é tão fácil parar de fumar. O cigarro causa uma dependência extremamente forte, mais forte do que outras drogas como o álcool e a cocaína”, disse o médico.

De acordo com Fernandes, para o viciado em fumo parar de fumar, é preciso primeiro estar pessoalmente motivado para largar o vício. E, de preferência, contar com o apoio de uma equipe de especialistas. “A cada 100 pessoas que tentam, apenas quatro conseguem parar de fumar sem o auxílio de um especialista. Quando se tem o auxílio de uma equipe multiprofissional, fazendo terapia cognitiva e com o uso de medicações que diminuem o sintoma de abstinência, essa porcentagem de sucesso se multiplica dez vezes”, disse.

O médico afirmou ainda que quando um paciente com o diagnóstico de câncer não consegue parar de fumar, o tratamento é muito mais complicado. “O cigarro atrapalha na cicatrização. Além disso, a pessoa que fuma tem problemas cardiovasculares e respiratórios que levam com que todo o manejo dele durante a anestesia, a cirurgia e o pós-operatório seja mais complicado. Quem fuma e precisa fazer um procedimento de radioterapia, tem complicações da radioterapia muito mais frequentes do que quem não fuma. E uma terceira coisa é que alguns quimioterápicos não são tão eficazes numa pessoa que fuma em relação a uma pessoa que não fuma”.

Para ajudar as pessoas que têm câncer e que, apesar disso, continuam fumando, o médico afirmou que o Instituto do Câncer tem oferecido um tratamento especial, que começa com uma reposição de nicotina, oferecido por meio de um adesivo, pastilha ou goma. A intenção é evitar os sintomas de abstinência e ajudar o paciente a conseguir ficar mais tempo sem o cigarro.

Edição: Aécio Amado

Tecnologia do Blogger.