Breaking

15.11.10

Acará-disco cuida dos filhotes de maneira semelhante aos mamíferos

Da FAPEAM
Acará-disco (Foto:Divulgação)

09/11/2010 - Uma pesquisa de cooperação internacional envolvendo o Centro de Estudos de Adaptações da Biota Aquática da Amazônia (Adapta) projeto ligado ao Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCT) revela que o peixe ornamental Acará-disco (Symphysodon spp), comum na região Amazônica, cuida de seus filhotes de maneira semelhante aos mamíferos. O peixe produz sobre a pele um muco que serve de alimento aos peixinhos e que tem função similar ao leite materno.

O acará-disco produz um muco que, segundo os pesquisadores, é rico em nutrientes e tem função similar ao leite materno nos mamíferos (como acontece em humanos). Os estudos foram feitos pelos pesquisadores estrangeiros Jonathan Buckley, Richard J. Mauder, Andrew Foey, Janet Pearce e Katherine Sloman em parceria com o cientista brasileiro Adalberto Val, coordenador-geral do projeto Adapta e diretor do Inpa.

Nesse processo de alimentação, os filhotes “beliscam” a pele dos “pais” para obter o alimento. O diretor do Inpa afirma que foi necessário desenvolver uma nova tecnologia para realizar o estudo. “Foi desenvolvida uma esponja especial onde coletamos todo esse material, depois dissolvemos essa esponja no laboratório para fazer a análise.

Outro fator importante do estudo foi a descoberta que por meio desse muco há a passagem de substâncias essenciais para o crescimento e imunidade do peixe. Ainda de acordo com as pesquisas, os poluentes presentes na água podem ser passados dos "pais" para os "filhos" onde através do muco os filhotes geram uma espécie de defesa. “Alguns poluentes são passados por meio do muco e esse poluentes servem para desencadear um processo de resistência a essas substâncias”, declarou Val.

O “desmame”

As pesquisas revelaram ainda que este tipo de alimentação diferenciada para os filhotes se dá em um período de três semanas, onde os pais começam o processo semelhante ao de “desmame”. Isso ocorre por apenas três semanas, a partir daí o filhote de acará-disco já busca seus alimentos motivado pelo afastamento dos pais.

O próximo passo agora é fazer a análise genética para saber quais são os genes responsáveis pelo estímulo à produção do muco com nutrientes, que só ocorre no período em que há filhotes. “Deve haver um mecanismo que estimula as mudanças da composição química do muco durante, aproximadamente, três semanas e após esse período tudo isso desaparece e o filhote começa a ter vida independente”, explicou.

Sobre o Adapta

O Adapta é uma rede de atividades de Biologia Aplicada e tem a proposta de estudar as adaptações de organismos aquáticos da Amazônia, por meio da incorporação de novos equipamentos, da estruturação de um serviço de bioinformática e capacitação de recursos humanos.

O projeto faz parte dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs) e conta com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (FAPEAM), da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).


Por Daniel Jordano (Ascom/Inpa)