27.11.10

Advogado pode ser expulso da OAB após espancar homossexual

Do Verdes Mares 26/11/2010

A OAB-Ceará vai apurar as denúncias contra o advogado Fabricio Franco, acusado de homofobia depois de ter espancado um homossexual no bairro Joaquim Távora, em Fortaleza.

O advogado disse à policia que não se trata de um ato homofóbico, mas um revide a agressões verbais e ameaças que ele estaria sofrendo de Vitor Edson Sezanni.

Segundo o advogado do centro de apoio ao advogado da OAB-CE, Robson Sabino, Fabricio procurou a ordem neste sexta-feira (26) e confirmou as agressões, mas negou homofobia.

Mesmo assim, a OAB vai apurar se houve caso de violência por preconceito e se for confirmado, o advogado pode ser expulso da ordem.

De acordo com o presidente do Grupo de Resistência Asa Branca (Grab), também é difícil conter a homofobia e punir agressores por vergonha das famílias das vítimas e, principalmente, pela falta de uma lei específica que criminalize as agressões contra homossexuais.

Pancadaria se iniciou na rua

A agressão aconteceu nesta quinta-feira (25), na rua onde moram vitima e agressor. De acordo com testemunhas, o acusado, Fabricio Franco Ponte, iniciou a pancadaria no meio da rua Professor Carvalho, no bairro Joaquim Távora.

Segundo testemunhas, o Ronda do Quarteirão foi chamado para atender à ocorrência, chegou a escoltar o advogado até próximo ao 4º Distrito, mas Fabricio se apresentou sem a presença dos policiais do Ronda.

Dúvidas e respostas em relação aos policiais

A advogada da vitima quer saber porque os PM's não levaram o advogado até à delegacia e não autuaram Fabricio em flagrante por agressão.

De acordo com o comandante do Ronda do Quarteirão, coronel Werisleik Matias, os policiais que atenderam a ocorrência informaram ter constatado apenas agressões leves e, por isso, não conduziram Fabrício Franco ao 4º DP.

Share this