27.11.10

Travesti Rafaela é preso por racismo

Do Diário de Cuiabá Sábado, 27 de novembro de 2010

O travesti Deyvid Benedito da Silva, o “Rafaela”, de 18 anos, responsável pela cassação do vereador eleito por Cuiabá, Ralf Leite, foi presa ontem de madrugada sob as acusações de racismo e ameaça. A prisão ocorreu no bairro da Manga, após a proprietária da quitinete onde o travesti mora acionar a polícia. A dona do imóvel pretendia pedir o quarto de volta uma vez que Rafaela chegava tarde e pulava o muro, perturbando os vizinhos.

Por volta da 1h30, Rafaela chegou pulando o muro e se deparou com a proprietária da quitinete, que repreendeu o travesti. A comerciante relatou à polícia que Rafaela começou a ameaçá-la e ainda xingou o vigia de alguns nomes impublicáveis, caracterizando o crime de injúria real. Policiais militares foram acionados e detiveram Rafaela, autuado por racismo e ameaça.

A comerciante explicou que foi a mãe de Rafaela quem alugou a quitinete, mas o travesti não estava cumprindo com as regras exigidas pelos moradores. Como estava pulando o muro, incomodava os demais inquilinos.

Ontem de madrugada, assim que pulou o muro, Rafaela deparou-se com a proprietária, que pediu a desocupação imediata da quitinete, pois não a queria mais como inquilina. Próximo dela, estava o vigia da rua. “Então, começaram as ameaças e o xingamento contra o vigia”, explicou um dos policiais que participou da prisão.

Na Delegacia do Parque do Lago, o travesti negou qualquer ameaça contra a proprietária. A mãe dela inclusive já se prontificou a fazer a mudança do filho, cancelando o aluguel do imóvel.

“Quanto ao vigia, não xinguei ninguém não. Ele é que queria fazer sexo comigo, mas não quis nada com ele não. Acho que foi por isso que ele armou tudo isso”, garantiu. Policiais plantonistas, no entanto, disseram que o crime é grave e inafiançável.

Rafaela ficou famosa ainda adolescente. No dia 5 de fevereiro do ano passado foi flagrado por policiais militares em companhia do então vereador Ralf Leite, na região do Zero-Quilômetro, em Várzea Grande. Na mesma delegacia, Rafaela confirmou que fez sexo oral com o vereador e ainda cobrou R$ 30.

Desde então, Ralf Leite iniciou um inferno astral que culminou, meses depois, na cassação de seu mandato de vereador e, também o indiciamento pelo crime de exploração sexual. Assim que completou a maioridade, Rafaela se mudou para Várzea Grande - ela residia em Poconé - e continuou fazendo ponto na região do Zero-Quilômetro. Há poucos meses, mudou-se para o quitinete do bairro da Manga. (AR)

Share this