4.12.10

Amarrado antes da morte

O Liberal Edição de 03/12/2010

Vítima era homossexual assumido. Assassino roubou objetos de valor da casa do ex-professor do Curro Velho.

Um morador da ilha de Mosqueiro foi assassinado dentro de casa ontem de manhã. Objetos da casa de Edmilson de Jesus Ferreira foram roubados. A vítima teve os pés e mãos amarrados antes de ser asfixiada. A principal hipótese da Polícia Civil é que o homicida tenha sido alguma pessoa íntima da vítima, um homossexual assumido.

A Polícia Militar recebeu denúncia anônima ontem de manhã sobre uma briga na Rua Pedreirinha, no Bairro do Carananduba, em que uma pessoa parecia ter ficado ferida dentro de casa. Policiais foram ao local e, depois de muito bater à porta, resolveram entrar, pois estava só encostada. No quarto, viram Edmilson de bruços no chão, com os pés amarrados com fio elétrico e as mãos atadas com cordas, além de estar amordaçado com uma toalha na boca, cobrindo também o nariz.

Não havia sinais de arrombamento. O cadeado do portão estava pendurado onde sempre ficava, ao lado da geladeira, dando a ideia de que o assassino era conhecido da vítima e entrou na sua casa com seu consentimento. Contudo, o ambiente estava revirado. "Fomos informados de briga, mas ao chegarmos, a vizinhança negou saber de alguma coisa assim. Ainda não dá para dizer nada sobre o que ocorreu", fala o cabo Cardoso Silva, da Polícia Militar.

Vizinhos e policiais supunham que Edmilson tivesse sido morto ontem de manhã, mas o Centro de Perícias Científicas Renato Chaves afastou essa hipótese. Dado ao estado do corpo, o perito criminal Paulo Mendes achou provável que a morte tivesse ocorrido cerca de 24 horas antes, ou seja, na tarde de quarta-feira, dia 1º.

Os sinais de violência contra a vítima são apenas da asfixia e da imobilização do corpo. Não houve espancamento, facada ou tiros, de acordo com a primeira análise do perito. "Na autópsia a gente junta todas as informações com o médico-legista e chega a uma conclusão definitiva. Até agora, a própria asfixia, mesmo sendo muito mais provável, não pode ser dado como confirmada", pondera Paulo Mendes.

Eduardo de Jesus Ferreira, irmão da vítima e também morador de Mosqueiro, conta que Edmilson morou sozinho na ilha nos últimos 15 anos. Não tinha inimigos, tratava todos bem e era querido pela vizinhança, diz Eduardo. Foi professor do Curro Velho no Núcleo de Artes Cênicas, era candidato na eleição de hoje para o Conselho Tutelar de Mosqueiro, se envolvia em questões comunitárias e era militante do PT, com participação ativa na última campanha eleitoral. "Era um cara calmo e reservado. Quem fez isso era alguém que ele conhecia e não acho que tenham entrado para roubar", diz o irmão da vítima. Da casa de Edmilson foram levados uma TV de plasma, aparelho de DVD, liquidificador e celular.

Delegado de plantão da Seccional de Mosqueiro, Gustavo Fontenele suspeita que algum homem com quem Edmilson tenha se relacionado tenha cometido o latrocínio. "Pelo que a gente sabe, ele saía com vários rapazes e pode ser que algum deles fosse desocupado ou malandro", explica o delegado.

Share this